O agente "papa-fumaça"

Entenda o papel do Arla 32 no funcionamento dos motores Euro 5

Arla

A entrada  em vigor este ano do programa de controle de poluição Proconve P7 (equivalente ao Euro 5 europeu), introduziu no Brasil um novo tipo de reagente, até então desconhecido no mercado: o Arla 32. Seu nome vem das iniciais de Agente Re?dutor Líquido Automotivo. Já o ?número 32 refere-se à sua composição: 32,5% de ureia de alta ?pureza, dissolvida em água desmineralizada.? Esse reagente é usado nos caminhões com tecnologia de pós-tratamento SCR – sigla em inglês para Redução Catalítica Seletiva –, caso dos novos caminhões Ford Cargo com motor Cummins Euro 5. 

“Ao entrar em contato com os gases de escape, ele provoca uma reação química e transforma o óxido de nitrogênio (Nox) produzido pelo motor em nitrogênio e água”, explica José Roberto Fachola, engenheiro de Serviços da Ford Caminhões. “O resultado é sentido no ar limpo e praticamente sem cheiro que sai do escapamento do veículo.”

INJEÇÃO 

O Arla 32 é injetado na tubulação de escape por uma unidade dosadora, controlada pelo módulo de controle eletrônico do motor . A injeção do reagente só ocorre quando o motor está em funcionamento, com os gases de escape aquecidos a mais de 200°C  e o índice de óxido de nitrogênio está acima de 2g/kwh.

A capacidade do reservatório de Arla 32 varia de acordo com cada modelo de caminhão Cargo Euro 5:

  • Cargo 8 t: 25 litros;
  • Cargo 13 a 31 t: 50 litros e
  • Cargo cavalo-mecânico: 90 litros.

       DIAGNÓSTICO

Os caminhões Ford Cargo Euro 5 vêm com um indicador de nível de Arla 32 no painel, composto por cinco LEDs – quatro verdes e um vermelho, que avisa quando ele chega na reserva. Contam também com um sistema de diagnose de bordo (OBD) que informa o motorista sobre eventuais falhas no sistema de pós-tratamento.

Uma luz de advertência amarela se acende no painel nas seguintes situações:

  • nível de Arla 32 no reservatório abaixo de 12%;
  • utilização do Arla 32 adulterado ou contaminado;
  • falhas no sitema pós-tratamento.

O uso do veículo com o reservatório de Arla 32 vazio, com o produto adulterado, contaminado ou misturado com aditivos, diesel ou água, causa falhas no sistema de pós-tratamento e perda de potência do motor. “Caso isso ocorra, deve-se entrar em contato imediatamente com um distribuidor Ford Caminhões”, lembra Fachola.

O consumo de Arla 32 é em media de 5% a 8% do total do consumo do diesel. Ou seja, para cada 100 litros de diesel são utilizados, em média, de 5 a 8 litros do produto.

Fonte: Imprensa Ford