Hábitos ao dirigir

Dom Pedro 0352 O hábito de fazer curvas em velocidades impróprias ou pela carga transportada, seja pela condição da estrada; provoca esforços na estrutura do pneu que fadigam a carcaça prematuramente para futuras reformas e também causam desgastes prematuros na banda de rodagem, diminuindo a vida útil do pneu e aumentando seu custo por quilômetro.

A frenagem de um veículo de carga é outro item que merece atenção, pois deve ser feita da maneira mais suave possível para que os pneus não sofram esforços desnecessários, afetando sua vida útil. Portanto, o motorista deve prestar atenção redobrada, principalmente quando está dirigindo em locais de trânsito intenso, no sentido de programar melhor a frenagem do veículo.

Arrancadas forçadas com veículos de carga provocam esforços na estrutura da carcaça que certamente irão influenciar a vida útil total do pneu e isso será observado quando o pneu for enviado para ser reformado ou mesmo podendo vir se romper em trabalho, provocando prejuízos incalculáveis e imprevisíveis.

Todo pneu possui um índice de velocidade máxima em trabalho. Esse índice deve ser respeitado, pois a carcaça de um pneu foi projetada para rodar a uma determinada velocidade e a uma determinada carga para se obter a melhor vida útil possível. A velocidade acima do limite do pneu provoca deformações na carcaça que vão fazer com que essa carcaça atinja seu ponto de fadiga mais cedo, prejudicando sua vida útil.

Quando se está dirigindo seja em que velocidade for e o veículo tem sua trajetória bruscamente alterada, como o desvio de um obstáculo, por exemplo, a carcaça é submetida a esforços laterais excessivos e se essa prática se tornar comum, mais cedo essa carcaça sairá de serviço, diminuindo sua vida útil e aumentando seu custo por quilômetro.

Temos visto na Internet e nas redes sociais uma prática chamada “quebra de asa”, que além de destruir as carcaças dos pneus devido a esforços para os quais as carcaças nao foram projetadas, podem causar sérios acidentes. Mas esse assunto passa a ser de fiscalização e punição.

Todos os tópicos acima, além dos pneus, podem atingir vários components mecânicos do veículo e se observados corretamente, vão trazer com certeza uma vida maior para as carcaças, pois as mesmas serao mais bem preservadas para as reformas, diminuindo consideravelmente seu custo por quilômetro rodado e preservando componentes mecânicos consequentemente.

Fonte: www.ocarreteiro.com.br